Prevenção da Erisipela

Medidas de prevenção da Erisipela

Manter os pés secos e limpos, sem micoses ou rachaduras são medidas essenciais para a prevenção. Talcos antissépticos para uso nos calçados também são recomendáveis.É fundamental que o paciente que teve erisipela ou apresente linfedema se proteja contra novos surtos. A cada novo episódio aumenta o risco de ocorrência de linfedema pós-inflamatório. Higiene rigorosa dos pés e mãos, evitar traumatismos e cortes; evitar a ocorrência de edema, mantendo os pés da cama elevados, evitar a permanência prolongada em pé, são cuidados importantes para a prevenção da doença.Curada a erisipela o uso da meia elástica é altamente recomendável, pois em grande parte dos casos se instala o linfedema como sequela.

Conheça os fatores de risco da arteriosclerose e previna-se!

Conheça os fatores de risco da arteriosclerose e previna-se!

A arteriosclerose é a principal causa de morte no mundo ocidental. É caracterizada pelo depósito de gordura, cálcio e outros elementos na parede das artérias, reduzindo seu calibre e trazendo um déficit sanguíneo aos tecidos irrigados por elas. Seu desenvolvimento é lento e progressivo, e é necessário haver uma obstrução arterial significativa de cerca de 75% do calibre de uma artéria para que surjam os primeiros sintomas isquêmicos (sintomas derivados da falta de sangue).

Estudos epidemiológicos mostraram que a arteriosclerose incide com maior freqüência e intensidade em indivíduos que têm algumas características, que foram denominadas “fatores de risco“. Conheça.

Idade: predominante na faixa de 50 a 70 anos.

Sexo: predominante no sexo masculino, pois as mulheres são “protegidas”desviando suas gorduras sanguíneas para a produção de hormônio feminino (estrogênio). Após a menopausa esta proteção desaparece.

Hiperlipidemia: indivíduos que têm altos níveis de gorduras circulantes no sangue, sendo o colesterol a principal delas, depositam este excesso nas artérias obstruindo-as progressivamente.

Tabagismo: os indivíduos que fumam têm um risco nove vezes maior de desenvolver a arteriosclerose que a população não fumante. A decisão de parar de fumar modifica favoravelmente a evolução dos pacientes sintomáticos.

Hipertensão: a hipertensão arterial provoca alterações na superfície interna das artérias, facilitando a penetração das gorduras na parede arterial.

Sedentarismo: a atividade física reduz os níveis de colesterol e favorece a circulação.

História familiar: assim como a idade e o sexo, não podemos mudar nossa herança genética, e este é um fator também importante, não devendo ser negligenciado. Há famílias que, por diversos desvios metabólicos, estão mais sujeitos à doença.

O angiologista e/ou cirurgião vascular é o médico indicado para avaliar e tratar a arteriosclerose. Melhor que tratar é evitar o aparecimento da doença. Isso pode ser alcançado com uma dieta alimentar equilibrada, não fumando e praticando regularmente exercícios físicos.

Como evitar a sensação de pernas cansadas

Como evitar a sensação de pernas cansadas

A sensação de pernas cansadas é muito comum, nos finais de dia dos portugueses, especialmente das portuguesas. Ainda que a sensação de pernas cansadas possa ser sintoma de um problema de saúde mais grave, a doença venosa crônica, há muito que pode fazer para prevenir e aliviar esta sensação de pernas cansadas.

Bastam mudanças subtis nos seus comportamentos e rotinas diários, para conseguir experienciar algum alívio da sensação de pernas cansadas. Todas estas mudanças comportamentais visam melhorar a circulação sanguínea nos membros inferiores, na medida em que, muitas vezes, estas queixas são provocadas por anomalias na circulação sanguínea de retorno: a circulação que traz o sangue venoso, com impurezas e dióxido de carbono, de volta ao coração.

O que está ao seu alcance

A sensação de pernas cansadas ou pesadas, pode ser provocada por um conjunto de fatores relacionados com o seu estilo de vida, e muitos dos fatores explicam o porquê de serem as mulheres quem mais sofre com este problema.

No lote de comportamentos que podem estar na origem deste problema ou do seu agravamento, encontram-se comportamentos como:

. Utilizar sapatos com salto demasiado alto;
. Utilizar calças demasiado justas e de materiais não respiráveis;
. Passar demasiado tempo na mesma posição (independentemente de ser em pé ou sentado);
. Tomar banho com água excessivamente quente;
. Ingestão abusiva de bebidas alcoólicas;
. Tabagismo;
. Falta de exercício físico.

Para evitar a sensação de pernas cansadas, deve começar por evitar qualquer um dos comportamentos ou hábitos, acima descritos. No entanto, existe um conjunto de outros hábitos que pode desenvolver, que lhe permitirão chegar ao final do dia, sem sentir as suas pernas cansadas e pesadas, recuperando assim a sensação de bem-estar e de qualidade de vida perdidos.

Um dos hábitos mais simples de desenvolver, na medida em que não implica qualquer mudança brusca no seu estilo de vida, é passar a dormir com as pernas ligeiramente elevadas. Basta colocar uma almofada por baixo das pernas no fundo da sua cama. No entanto, isto não basta!

É fundamental começar a praticar atividade física de forma regular (não é necessário que a intensidade dessa atividade seja elevada), a praticar uma alimentação saudável e a ingerir mais água.

A sensação de pernas cansadas deve ser encarada como um sinal de alerta!

A sensação de pernas cansadas é o primeiro sintoma e o mais comum de doença venosa crônica. Nestes casos, a par da sensação de pernas cansadas ou pesadas, surgem, muitas vezes, dor nos pés e nas pernas, inchaço (como resultado da retenção de líquidos), sensação de formigueiro e cãibras noturnas.

Além disso, o agravamento da sensação de pernas cansadas e da doença venosa, pode provocar o aparecimento de varizes e derrames que, num estado muito avançado do problema, podem originar diversas complicações (alterações da pele, que fica fragilizada e com cor acastanhada, úlceras de perna e tromboflebites).