Síndrome do viajante: você sabe o que é?

Férias de julho chegando e muitas pessoas já estão programando as viagens. É hora de redobrar os cuidados com a saúde e ficar atento, especialmente, à síndrome do viajante.

Mas, você sabe o que é isso? A síndrome de viajante ocorre com pessoas que podem ter problemas de circulação durante viagens, principalmente se elas forem muito longas.

Seja de carro, de avião, de ônibus ou de trem, quando uma pessoa fica por muitas horas sentada, na mesma posição, isso prejudica o retorno do sangue das pernas, comprometendo a circulação sanguínea.

A consequência disso pode ser a formação de trombos, causando a Trombose Venosa Profunda.

 

Causas da Síndrome do Viajante

 

Em viagens longas, de muitas horas, normalmente as pessoas ficam muito tempo sentadas, na mesma posição. A falta de movimentação acaba comprometendo a circulação, pois prejudica o retorno do sangue das pernas para o coração, fazendo com que tenha uma maior quantidade de sangue retida nas veias.

Assim, podem ocorrer trombos (coágulos) nas veias das pernas. A trombose pode ser entendida como a coagulação anormal do sangue no interior das veias profundas, impedindo o fluxo sanguíneo.

A trombose pode causar:

  • Inflamação na parede das veias,
  • Deficiência do funcionamento do fluxo sanguíneo;
  • Embolias – que podem ser fatais.

 

Quem precisa ter mais cuidado?

 

A trombose está associada à diminuição do fluxo sanguíneo, inflamação ou irritação na veia. E estas questões podem ser potencializadas por: cirurgias, infarto, traumatismo, uso de gessos e viagens.

Vale lembrar que a ocorrência de trombose pode ser maior em:

  • Pessoas com idade avançada
  • Obesos
  • Tabagistas
  • Pessoas com insuficiência renal
  • Pessoas que fazem tratamento hormonais
  • Pessoas com tumores malignos
  • Entre outros

 

Fique atento aos sintomas

 

Os sintomas da trombose não são muito específicos e podem ser parecidos com os de outras doenças vasculares. Mas, é importante ficar atento, caso apareçam durante a viagem:

 

  • Dor na perna,
  • Inchaço,
  • Vermelhidão,
  • Queimação,
  • Pele esbranquiçada ou azulada,
  • Dificuldade para andar.

 

Caso perceba os sintomas durante a viagem, busque se levantar e movimentar os pés e as pernas. Em situações mais sérias, é indicado que procure o atendimento médico.

 

É possível evitar o problema?

 

Controlar os fatores de risco, que potencializam a ocorrência de trombose é sempre o mais indicado. Por isso, é muito importante fazer um check-up anual com um Angiologista e Cirurgião Vascular, principalmente se você já tem problemas vasculares ou se tem algum histórico familiar. Além disso, durante a viagem, fique atento aos cuidados que você pode ter:

 

  1. Durante a viagem, mesmo sentado, constantemente faça alongamentos, movimentos circulares com os pés e com as pernas, dorso flexão da panturrilha, levantar a ponta do pé (10 a 15 vezes);

 

  1. Se possível, tente se levantar e caminhar nos corredores do veículo – avião, trem ou ônibus.

 

  1. Se estiver de carro, não deixe de fazer paradas para esticar o corpo;

 

  1. Uso de meias elásticas de compressão, preferencialmente conforme recomendação de um médico Angiologista e Cirurgião Vascular;

 

  1. Mantenha-se hidratado.

 

DR. GUSTAVO COSTA FRANKLIN DOS REIS

 

 

 

Quais as profissões que podem aumentar o risco de aparecimento de varizes?

Você sabia que algumas profissões podem potencializar a ocorrência de varizes? Veja quais são e como se prevenir.

Algumas profissões exigem que os profissionais fiquem muito tempo em pé ou muito tempo sentados. Isso pode prejudicar a circulação do sangue e, consequentemente, pode ser um fator potencializador de varizes.

 

Veja algumas profissões em que há maior prevalência o risco de varizes

 

  • Executivas
  • Palestrantes
  • Professoras
  • Médicas / Cirurgiãs
  • Dentistas
  • Cabeleireiras
  • Taxistas / motoristas de aplicativos
  • Recepcionistas / secretárias
  • Atendentes de lojas
  • Entre outros

 

Por que isso acontece?

 

Quando a pessoa passa muito tempo em pé ou sentado,  a falta de movimentação  interfere no retorno do sangue das pernas para o coração, comprometendo assim a circulação. Com isso aumenta a quantidade de sangue que fica parado nas veias.

Associado a um fator genético e a outros potencializadores, isso poderá desencadear  em dilatações e tortuosidades dessas veias, formando as conhecidas varizes.

Vale lembrar que essas varizes poderão ter diversos graus, comprometendo a saúde do profissional.

 

Como evitar ou minimizar ?

 

Existem várias ações que podem ser úteis para melhorar o retorno venoso e fazer com que você chegue ao final da rotina de trabalho sem dores, cansaço ou inchaço nas pernas, além de ajudar a minimizar a ocorrência de varizes. Confira:

  1. Durante a jornada de trabalho, realizar constantemente movimentos com os pés e com as pernas – movimentos circulares, alongamentos, etc;
  2. A cada duas horas, fazer exercícios no local de trabalho: dorso flexão da panturrilha, levantar a ponta do pé (10 a 15 vezes);
  3. Caminhar mais no ambiente de trabalho – buscar água, café, ir ao banheiro;
  4. Uso de meias elásticas de compressão, preferencialmente conforme recomendação de um médico Angiologista e Cirurgião Vascular;
  5. Fazer um check-up anual com o Angiologista e Cirurgião Vascular, especialmente se você já tiver algum caso familiar.

Em caso de dúvidas, procure o médico Angiologista e Cirurgião Vascular

 

Leia também

É possível prevenir varizes? 

5 mitos e verdades sobre varizes e vasinhos

Vasinhos ou varizes? Qual o seu tipo?